CURVA DE ACEITAÇÃO APOMÉTRICA

Apômetras

Eis que surge então uma nova classe ou denominação para identificar o indivíduo ou agrupamento que trabalha com a técnica da Apometria. O Apômetra, ou ainda menos utilizado, Terapeuta Apômetra. Podendo ser dividido ainda em: Terapeuta Apômetra e Médium Apômetra.

Terapeuta Apômetra: aquele que trabalha ou aplica a técnica em caráter terapêutico em consultório e/ou clinica holística particular.Este estará usando seu conteúdo anímico. O Terapeuta Apômetra, se bem pautado em seus estudos e conhecimentos, não adentra no campo espiritual da tratativa, este ocupa se na investigação e tratamento das chamadas patologias anímico-psíquicas e reequilíbrio energético de seu paciente. Desta forma o Terapeuta Apômetra não estaria adentrando no campo espiritual e comercializando recursos da espiritualidade, comumente entendido como comércio da mediunidade. Este usa sua força mental e sua energia para desenvolvimento e aplicação da ferramenta, podendo sim haver ou não uma remuneração.

Médium Apômetra: aquele que trabalha ou aplica a técnica em caráter terapêutico em um grupo mediúnico (não importando se há coligação religiosa ou não). Este estará usando seu conteúdo anímico e mediúnico. Quando nesta modalidade, a técnica da Apometria oferece ferramental necessário de defesa e tratativa para avançar no campo anímico-psíquico e no campo espiritual, Este envolverá processos obsessivos de maior ou menor complexidade. Nesse aspecto dizemos que o trabalho é em parceria com uma cúpula espiritual ligada ao indivíduo ou a egrégora ao qual o terapeuta ou grupo faz parte. Sendo assim em regra geral há cinquenta por cento de participação de cada parte. Assim, nesse aspecto fica condenado a remuneração ou cobrança de um atendimento, pois estaria desta forma comercializando algo, ou parte de algo que não lhe pertence.

Apômetra

Faculdade

Faculdade

Energias Utilzadas

Médium Apômetra

Conteúdo anímico

Conteúdo Mediúnico

Força Mental, Vital e Auxilio do Plano Espiritual

 

 

 

 

Terapeuta Apômetra

Conteúdo anímico

 

Força Mental,  Força Vital

 

Apômetra – terminologia, útil quando utilizada para identificar aquele que conhece e atua com a técnica, inútil quando gera partidarismo e rótulo:

Exemplos partidaristas:

  • Sou Apômetra e não sou espírita.
  • Sou Apômetra não umbandista.
  • Sou Apômetra espírita.
  • Sou Apômetra espiritualista.

Terminologias que de certa forma são excludentes e personalistas. Podemos dizer que o Apômetra (conhecedor da técnica) pode ser ou não ligado a um contexto religioso.

Exemplos:

  • Espírita Apômetra
  • Umbandista Apômetra
  • Católico Apômetra
  • Evangélico Apômetra
  • Simplesmente Apômetra.

Apometria e suas variantes

Baseado nas definições acima podemos dizer com toda propriedade que a técnica se chama Apometria e o aplicador da técnica será então um Apômetra.

Toda e qualquer outra variação do nome da técnica passa a ser única e exclusivamente fruto do personalismo humano. Com todo respeito aos praticantes da Apometria que adotam nomes exclusivos ou variantes do termo Apometria, encontraremos terminologias como:

  • Apometria Xamânica, Apometria Quântica, Apometria Astral, Apometria Esotérica, Apometria Universal, Apometria Projetiva, Apometria Ufológica…

E por aí vai!

Observem que estas classificações não descreditam a técnica ou o aplicador da técnica, mas por vezes consiste apenas na integração de outras ferramentas Xamânicas, conceitos da Quântica, e até mesmo algumas distorções de conceitos produzindo essas variantes de terminologia.

 Assim como ocorre na religião Umbandista, no Espiritismo Kardecista, encontraremos muitas formas de manifestação e ritualística, tendo em sua essência uma base de fundamentação. Não existe certo e errado, muito menos um padrão exato nas formas de atuação com o plano físico e extrafísico, cada grupo acaba vivendo e atuando de acordo com seu perfil energético, intelectual, físico, fisiológico, emocional e cultural. O único cuidado que se deve ter é a consciência de que a base da técnica tem uma fundamentação lógica e científica, pois essa consciência previne qualquer um de trabalhar sem uma fundamentação, baseado em achismos, baseado em personalismo, ou até mesmo oportunismos daquele que enxerga a ferramenta como uma oportunidade para ganhos pessoais, sejam eles emocionais, energéticos ou materiais.

Muitas das vezes, excessos de terminologias e até mesmo a extensão de nossa língua portuguesa, aliada ao orgulho e vaidade humana acabam por gerar mais confusão e exclusão do que união. Fazendo com que o verdadeiro propósito da ferramenta, técnica ou trabalho perca seu foco.

“Se estamos no campo de batalha, devemos desenvolver o conhecimento estratégico, a fim de que não nos enganemos e de que não corramos o risco de combater o lado errado”, pelo espírito de Ângelo Inácio – A Marca da Besta, por Pinheiro, Robson – Ed. Casa dos Espíritos, 2010.

Pode parecer estranho a visão do leitor a citação acima retirada do livro A Marca da Besta, de Robson Pinheiro, falando sobre campo de batalha e conhecimento estratégico, mas quero chamar-lhes a atenção para o texto voltando para as questões de “fazer o BEM e a especialização da Caridade”.

Reflitamos:

  • O que realmente importa na prática do bem? Na pratica da Caridade? A ferramenta ou o resultado que ela proporciona?
  • Devido à diversidade energética e as mais diversas patologias, a tratativa no campo holístico não haveria de ter um quadro variável normal, quanto a respostas positivo/negativa de um individuo? Daí a diversidade ferramental que se apresenta a humanidade. Cada um responde melhor a uma tratativa e faixa energética.
  • Ao tratar um indivíduo de forma superficial, com a ferramenta inadequada, não estaríamos reforçando o processo patológico, análogo ao doente que toma a dose inadequada de um antibiótico e acaba por reforçar a resistência de um vírus causador da moléstia.
  • Qual o objetivo final, o equilíbrio do ser ou o saldo estatístico em nossos agrupamentos?
  • Quanto tempo e energia não se desprendem nas defesas de nossas verdades relativas?
  • Quando combatemos as ferramentas de equilíbrio e expansão de consciência do próximo, não estamos reforçando a ação dos opositores a essa política, ou seja, a política do Crística?
  • Quanto recurso matérial, tempo, espiritual e humano não se gasta quando não se aplica a ferramenta certa no alvo certo?
  • Não estaríamos, então, combatendo o lado errado? Guerreando entre nós mesmos?

Reforçando ainda as reflexões anteriores: o indivíduo não poderia ser?

  • Magnetizador Espírita (conhecedor do magnetismo e das técnicas de passes magnéticos).
  • Magnetizador Umbandista.
  • Magnetizador e Apômetra Católico.
  • Acupunturista, Magnetizador e Apômetra Agnóstico.

Ou seja, conhecedor da técnica que está em tese habilitado a atuar com a técnica, mas não está obrigatoriamente convertido a nenhuma ritualística ou processo iniciático fundamentado ao viés religiosista, seita, comunidade, fraternidade, agrupamento ou irmandade.

4 respostas em “CURVA DE ACEITAÇÃO APOMÉTRICA”

O curso de apometria online é bem interessante… mas a prática que vai dar uma base e complemento em tudo que foi falado.

Tirei muitas dúvidas que tinha quanto as inúmeras apometrias que são oferecidas e também a questão das pessoas terem a síndrome de Harry Potter, excelente, também da questão de quando pode cobrar. Gratidão.

Adorei este inicio de curso. Leve e descontraído para assistir, porém, com muita informação valiosa. 🙂

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *